Quando a proposta é mencionar um jovem brasileiro notável, se torna impossível esquecer um menino que impressionou a nação na década de 80 e que atingiu a popularidade mundial pela sua inteligência e perseverança nos anos 90.

Meta,organizacão e dedicação talvez tenham sido as armas daquele jovem com uma visão tio ampla do mundo. Este mesmo mundo, que hoje nos apresenta exemplos tão longe do ideal, onde os ídolos da geração são celebridades com estilos de vida questionáveis, que por fazerem sucesso, são copiados peia nossa juventude, tão carente de tudo, em especial de bons exemplos.

Por isso vale a pena relembrar a história de alguém que obteve sucesso através do estudo, do apoio familiar, enfim, dos verdadeiros valores do ser humano, Ricardo Tadeu Almeida Cabral de Soares ou Ricardo Tadeu de Soares, como também era chamado, nasceu em 23 de julho de 1976, no Rio de Janeiro, Brasil e ainda criança já se lhe prenunciava o futuro brilhante que teria pela frente.

Filho caçula, Ricardo aprendeu a ter e escrever aos três anos de idade, brincando de escolinha com sua irmã Danielle. Naquela época, já frequentando com os pais a Igreja São Paulo Apóstolo, no bairro de Copacabana, impressionava a todos, ao fazer, empoleirado num banquinho, uma das leituras da missa.

Inteligente, irrequieto, com uma memória impressionante e um desenvolvimento emocional e intelectual bem acima da média, precisava de novos estímulos e para que suprisse essa necessidade, passa a frequentar simultaneamente duas escolas: a 2a. Série do 1° grau no Colégio PATROPl e paralelamente, a 1 a. série no Colégio Santo Agostinho.

Em 1985, então com 9 anos, enquanto aguardava seus colegas de classe terminarem a prova de matemática, Ricardo Tadeu escreve o esboço do que seria seu primeiro livro, o romance policial Assassinato no Parque, editado em 1988 e cuja venda se esgotou rapidamente. O menino, fã de Agatha Christie, se revelava uma promessa no mundo da literatura.

Nesse mesmo ano, Ricardo surpreende o Brasil ao participar do Programa Sílvio Santos, no quadro "Isto é Incrível", onde recebe & Trofeu Honra ao Mérito pela sua capacidade de realizar cálculos matemáticos mentalmente, com mais rapidez que uma calculadora.

Aos 11 anos, Ricardo Tadeu, já habilitado na marinha como veleiro amador, sagra-se Campeão Estadual de Xadrez na sua categoria, representando o colégio Santo Agostinho.

Mas tudo isso era apenas um ensaio para as grandes realizações que ainda estavam por vir.

Em 1988, com apenas 12 anos de idade e sempre ávido por novos desafios, lança-se num ainda maior: prestar seu primeiro vestibular. Cursava então a oitava série, no colégio Santo Agostinho. É aprovado e conquista na Justiça o direito de cursar o seu primeiro curso superior na Faculdade de Direito Cândido Mendes.

Paralelamente, continua seus estudos no Colégio Santo Agostinho.
Ricardo Tadeu foi, inegavelmente, um campeão na administração do seu próprio tempo: peia manhã cursava o 2° grau no Colégio Santo Agostinho e à noite a cadeira de direito na Faculdade Cândido Mendes, tornando-se o mais jovem universitário do país.

Noticiários e diversos programas de TV se rendem à inteligência do menino, que apesar da pouca idade conseguia encontrar soluções claras para problemas administrativos e sociais do Brasil e sonhava ser Presidente da República, a fim de construir um pais mais justo e mais fraterno.

Mas, estudar peia manhã e à noite ainda era pouco para Ricardo Tadeu, assim, ainda encontrava tempo para escrever uma coluna no Jornal Última Hora, na qual dava prognósticos sobre turfe, baseado num programa de computador criado por ele mesmo e obtendo uma média de 90% de acertos. Era o mais jovem colunista esportivo a dar prognósticos sobre turfe.

Entra para o Sindicato dos Escritores do Rio de janeiro, tornando-se também o seu mais jovem membro.

E com tantos afazeres, ainda lhe sobrava tempo para suas duas grandes paixões: o futebol e o Fluminense.

Ainda em 1988, por escolha unânime de uma comissão de jornalistas esportivos, é agraciado com o Trofeu Bola de Ouro, considerado na época peia imprensa esportiva o "Oscar" da Comunicação Esportiva no Brasil, pelo sucesso da sua coluna Infor+Mática, no jornal Ultima Hora.

Em 1989, tem seu nome indicado para receber na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro a Medalha Pedro Ernesto, recebendo aprovação unânime no plenário. É o mais jovem cidadão a ser agraciado com tal honraria . Tinha apenas 13 anos de idade.

Recebe também a medalha Homem do Turfe, pela sua coluna no Jornal Última Hora.

Sagra-se mais uma vez campeão estadual de xadrez.
Participa como palestrante do Seminário "Como Introduzir a Informática no Esporte", realizado no SESC Teresopolis.

É convidado a participar do programa "Sem Limites" da rede Manchete, para responder sobre o Código Penal.
Em 1990, Ricardo assina também a coluna Erga Omnes, no jornal Gazeta de Notícias.

Vai então para a Inglaterra cursar inglês na Southbourne School of English, depois, para a Alemanha, onde estuda na Sprachshule Institut fur Erwachsenenbilduz, na cidade de Mainz. Estuda também francês com a professora Marie Pierre de UAbauve D'Arifat.

Durante seus estudos na Europa, atua como Correspondente Internacional do jornal em que escreve, recebendo sua credencial do então presidente da Associação Brasileira de Imprensa, jornalista Barbosa Lima Sobrinho.

Em 1991, com 15 anos de idade, inicia sua carreira de comentarista esportivo na Rádio Continental, sendo o mais jovem filiado da ACERJ -Associação Brasileira de Cronistas Esportivos, da ABRACE - Association Internationale de Ia Press Sportive, da Confederacion Panamericana de Periodistas Desportivos e também do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radio-Difusão.

Recebe sua habilitação pelo Ministério da Marinha como Arrais Amador e neste mesmo ano, conquista sua carteira de estagiário da Ordem dos Advogados do Brasil, tornando o mais jovem membro da OAB/RJ.

Buscando aperfeiçoamento profissional, diploma-se em vários cursos de extensão como:Evolução do Pensamento Político; Evolução Política do Mundo Contemporâneo; Direito Constitucional Especial;Títulos de Crédito; Responsabilidade Civil; Capitalismo, Estado e Democracia.

1992/1993. Anos de grandes realizações profissionais e pessoais para este jovem brasileiro, tão especial.

Além de estudar e praticar esportes, assina coluna semanal e atua como comentarista esportivo, agora na Rádio Nacional, no programa Show de Esportes, onde também responde sobre Justiça Desportiva. Pela sua brilhante atuação na rádio é mais uma vez agraciado com o trofeu Bola de Ouro.

Assume como Diretor Jurídico do Campo Grande Atlético Clube.

Na vida pessoal uma alegria especial: Por uma concessão especial do Vaticano, é investido como Cavaleiro da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, ordem católica, fundada no século XII, cujo objetivo além de preservar o Santo Sepulcro em Jerusalém é acima de tudo, praticar a caridade em prol dos semelhantes. Assim, com apenas 16 anos, Ricardo se torna o mais jovem Cavaleiro da Ordem, apesar de somente maiores de 25 anos poderem ingressar na mesma.

Ainda com 16 anos, conclui a faculdade e é escolhido orador da turma de formandos. Torna-se então, o mais jovem bacharel em Direito.

Presta o exame obrigatório para a Ordem dos Advogados do Brasil, e lhe é Auferida nota máxima pela banca examinadora.

Recebe então a carteira definitiva da OAB/RJ, sendo o seu nome incluído no livro Guiness Book of Records, como "o mais jovem advogado do mundo". É também o mais jovem membro do Sindicato dos Advogados do RJ.

Nesse mesmo ano é homenageado pelo Tribunal de Justiça Desportiva da FFERJ, pelos relevantes serviços prestados ao esporte e sua atuação no Direito Desportivo.

Presta vestibular novamente e é aprovado em 1° lugar para a Faculdade Cândido Mendes - classificação geral - e na UFRJ, passando a cursar simultaneamente os cursos de Economia e Administração.

Em 1993, com apenas 17 anos, é o mais jovem a ser agraciado - por decisão unânime do plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro - com a Medalha Tiradentes - a mais alta condecoração que o poder legislativo do estado confere a um cidadão.

Se torna o mais jovem Diretor Jurídico do Fluminense Futebol Clube.

Participa como debatedor no Projeto UFF Debate Brasil, com o tema "Maioridade aos 16 anos - Direitos e Responsabilidades". Participa como conferencista, do Primeiro Seminário Estadual de Desportos, realizado no Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense.

Na área da comunicação, continua como comentarista esportivo da Rádio Nacional e passa a escrever uma coluna no Jornal dos Sports.

Presta então exame para Mestrado em Direito Económico na UFRJ tirando a 1a. Colocação na prova de seleção. É o mais jovem mestrando em Direito daquela universidade.

Tem seu nome indicado pelo Presidente da OAB/RJ, Dr. Celso Fontehelle, para o IAB - Instituto dos Advogados do Brasil. A indicação foi aprovada no plenário por unanimidade, tornando Ricardo Tadeu o mais jovem membro daquele prestigioso instituto.

Ricardo aplica então para uma famosa universidade norte-americana, a Harvard Law School e é selecionado para cursar mestrado em Direito Internacional. Recebe uma bolsa de estudos da Fundação Estudar. É importante dizer, que a seleção de estudantes, a serem beneficiados por esta bolsa de estudos é extremamente rigorosa.

Além de indispensável comportamento ético, o candidato precisa demonstrar que tem liderança, proatívidade, empreendedorismo, criatividade e principalmente compromisso com o seu país.

Aos 18 anos, Ricardo Tadeu gradua-se em L.L. Master of Laws , tornando-se em 08 de junho de 1995 o mais jovem Mestre em Direito Internacional que passou pela universidade de Harvard, desde a sua fundação . Tese defendida: "A New Generation of Internacional Organizations, editada no ano seguinte.

Seu brilhante desempenho no curso de mestrado, levou a universidade a indicá-lo para ter sua biografia incluída no WHO'S WHO AMONG STUDENTS IN AMERICAN UNIVERSITIES AND COLLEGES - livro que seleciona em suas páginas os estudantes que mais se destacaram dentre todas as universidades americanas.

Mas, mesmo cursando mestrado nos Estados Unidos, Ricardo Tadeu não se desligou da área da comunicação que tanto o atraia. Atuou mais uma vez como Correspondente Internacional da Radiobrás, transmitindo notícias ao vivo para todo país, nos programas Revista Nacional e Hora do Brasil.

De volta ao Brasil é reeleito por unanimidade de votos para Diretor Jurídico do Fluminense.

Ainda na universidade, é convidado para trabalhar na Cia. Cervejaria Brahma.

1996. Casa-se com Renata Amaral, sua grande paixão, desde os tempos do colégio.
Com 20 anos, é o mais jovem a receber o "Colar do Mérito Judiciário". Maior honraria conferida pelo Tribunal de justiça do Estado do Rio de Janeiro, àqueles que prestam relevantes serviços à cultura jurídica e ao Poder Judiciário.

Recebe da UNE (União Nacional dos Estudantes) a Comenda do Mérito Estudantil e Cultural Stuart Edgar Angel Jones, pelo seu exemplo e dedicação à vida académica. Foi o primeiro estudante a receber esta homenagem.

Toma posse no cargo de Diretor Internacional do Gente Nova do Brasil, entidade filantrópica que reúne jovens de todo o mundo para atuar em prol da população carente. Filia-se ao Rotary Club Internacional.

É investido como " Irmão da Ordem dos Clérigos Barnabitas", que atua desde a evangelização até o amparo a famílias carentes. Neste mesmo ano, entra para o livro "Escritores Contemporâneos do Estado do Rio de Janeiro.

Lança o livro "A NEW GENERATION OF INTERNATIONAL ORGANIZATIONS", sua tese de mestrado na universidade de Harvard.

1997. Cursa Mestrado em Administração Financeira no IBMEC.

2000. É o mais jovem a ter sua biografia citada no "Internacional Who'S Who of Professional Management" entre os executivos mais destacados no mundo.

2001. É o mais jovem e 1°. colocado no Programa Especialista Seis Sigma Black Belt, da AMBEV.
É o mais jovem a concluir o MBA " Master em Business Ambev" classificando-se em 1°. Lugar..

O site surgiu da idéia de tornar disponível um acervo de pesquisa sobre brasileiros que de alguma forma se destacam, com
o objetivo de, além de homenageá-los, inspirar outros a   dar o melhor de  si , contribuindo para o florescimento de talentos no país.